HomeComportamentoSentimentos das crianças: aprendizado começa com os pais
sentimentos das crianças

Sentimentos das crianças: aprendizado começa com os pais

Os sentimentos estão presentes em nossas vidas desde que nascemos, eles fazem parte da natureza humana e não podemos deixar de senti-los. Conforme crescemos vamos aprendendo maneiras de expressá-los. Porém, temos a tendência de não reconhecer os sentimentos das crianças.

Imagine que você está sentindo frustrada consigo mesma por não conseguir realizar determinada tarefa ou até mesmo com muita raiva de um colega do seu trabalho, que te prejudicou. Nesse momento você procura alguém da sua confiança, como seus pais, ou um amigo, para descarregar tudo o que estava te angustiando, até mesmo chorar descontroladamente. Agora imagine que a pessoa que te ouviu responde coisas como “não foi nada”, “engole o choro que você já é uma mocinha”, “você faz tudo errado”, “se continuar chorando você vai apanhar”, “você está exagerando”.

sentimentos das crianças

Parece horrível não é mesmo? Acredito que você se sentiria ainda pior do que estava se sentindo, ficaria mais triste, confusa e até mesmo envergonhada. Pois essas são as frases que muitas vezes dizemos para as crianças. Precisamos parar de menosprezar o que as crianças sentem, pois o que pode parecer exagerado ou até mesmo besteira para os adultos, pode ser de extrema importância para a criança que está vivenciando a situação.

Sentimentos das crianças: o aprendizado começa na primeira infância

Os bebês ainda não possuem o recurso da fala, então o choro é a sua forma de comunicação, de expressar aquilo que está sentindo. Conforme a criança vai crescendo e adquirindo novos recursos, vai começando a se comunicar de outras maneiras, por exemplo, jogando brinquedos, batendo, mordendo e falando o que está sentindo diante de determina situação.

sentimentos das crianças

Porém, a criança ainda está se desenvolvendo e muitas vezes não entende o que está acontecendo, não consegue reconhecer ou saber qual é aquele sentimento, nem mesmo entender porque está se sentindo daquele jeito. Esse processo pode ser muito confuso e nesse momento ela age da maneira que está ao seu alcance.

O papel dos adultos é ensinar para as crianças sobre os sentimentos, nomeando-os nas situações e procurar maneiras de ajudar a criança a lidar com esse sentimento, que muitas vezes pode chegar de maneira avassaladora. É um aprendizado, demanda tempo e várias tentativas.

Existe uma tendência dos adultos de dizer que determinados sentimentos das crianças ou atitudes são feias, erradas, quando na verdade todos nós, tanto adultos quanto crianças, deveríamos poder expressar nossas emoções. Não podemos reprimir nossos sentimentos, especialmente das crianças que ainda são seres em formação, pois isso causa ansiedade e nos torna pessoas mais inseguras. Quando reprimimos, dizendo, por exemplo, que aquela criança faz tudo errado, que ela não pode se sentir de determinada maneira, criamos rótulos que limitam a criança, impedindo que ela possa sentir livremente. Nesses momentos, a punição e a crítica podem ser destruidoras.

Reconhecer e Legitimar os sentimentos das crianças

O principal jeito de ajudar é reconhecer e legitimar os sentimentos da criança, dando apoio e carinho nos momentos difíceis. Ensinar que todo mundo sente raiva, se frustra, e que as emoções são saudáveis e normais.

sentimentos das crianças

Por exemplo: a criança bate em um amiguinho. Claro que você não vai dizer que isso é certo. Mas ao invés de já brigar enquanto todas as emoções estão à flor da pele, você pode acolher e legitimar o que ela está sentindo, ensinando inclusive o nome daquilo que ela sentiu. Dizendo: “acho que você ficou com muita raiva do seu amigo”. Quando a criança se acalmar, explique para ela que todo mundo sente raiva, mas que ela não pode bater nas pessoas, pois machuca. E converse para que juntos cheguem em soluções: “o que você poderia ter feito, ao invés de bater nele?”.

Assim, a criança vai entendendo que é normal ter sentimentos conflitantes e vai criando recursos internos para conseguir sair das situações que a incomodem, sem machucar ninguém e ainda assim, sem precisar reprimir aquilo que está sentindo.

Terapia do abraço

Essa técnica tem sido cada vez mais utilizada e tem apresentado ótimos resultados. O princípio é: ao invés de negar e tentar afastar os sentimentos das crianças ruins como tristeza, raiva e ciúmes, aceitar que esses sentimentos são legítimos e fazem parte da nossa natureza. Assim, quando alguém estiver precisando de um colo, ou passando por um momento de raiva, ao invés de dizer para a pessoa ter calma, a proposta dessa terapia é que você a abrace. O abraço transmite calma, tranquilidade e segurança para as pessoas, sendo muito eficaz em momentos de crise.

Alguns benefícios da Terapia do Abraço são:

  • Diminuição de riscos de doença cardíaca;
  • Redução do nível dos hormônios do estresse;
  • Ajuda no controle da ansiedade;
  • Fortalecimento do sistema imunológico;
  • Liberação de oxitocina, o hormônio da felicidade.

Ela pode ser utilizada tanto em adultos quanto em crianças e em qualquer situação!

sentimentos das crianças

 

 

Bruna Osorio – Psicóloga Clínica

CRP: 06/118617

Facebook: Bruna Osorio Psicologia

 

 

Não quer perder nenhuma de nossas dicas??
Siga todas as nossas redes sociais

FacebookInstagram (@ficargravida) e Pinterest.

 

 

Leia mais textos de Comportamento:

A importância das brincadeiras na infância

Diferenças entre Baby Blues e Depressão pós-parto

Você sabe o que é violência obstétrica?

A importância da terapia infantil

Os diferentes aspectos da Maternidade

Escolinha ou casa da avó: como fazer a melhor escolha?

Compartilhe:
Classifique este artigo

O Ficar Grávida é um blog com conteúdo voltado para mulheres que estão grávidas, já são mamães e também para as que querem engravidar. Aqui, nós conversamos sobre gravidez, filhos, saúde, comportamento, decoração, histórias inspiradoras e muito mais! Entre em contato com a gente!

redacao@ficargravida.com.br

Comentário
  • A teoria do abraço funciona! Eu sempre digo às minhas filhas que nenhum sentimento é feio ou errado. O que fazemos e como agimos com base nesses sentimentos é que “são elas”. Eu costumava dizer a minha filha mais velha que rotular um sentimento (certo ou errado) não irá evitar de senti-lo! Raiva todo mundo sente, por exemplo, ao longo de toda a vida. É um sentimento que estará presente sempre. O que fazemos com a raiva? Aí sim está o certo e o errado.
    Ótimo texto da Bruna!!

    23 de novembro de 2017

Deixe um comentário