HomeTentantesExames e TratamentosOutubro Rosa: como diagnosticar e tratar o câncer de mama na gravidez?
câncer de mama

Outubro Rosa: como diagnosticar e tratar o câncer de mama na gravidez?

Apesar de raro, o câncer de mama durante a gravidez é uma possibilidade real e deve ser investigado com todo o cuidado e atenção que sua saúde merece!

A boa notícia é que, assim como o câncer de mama em mulher que não estão passando pela gestação, com um diagnóstico rápido e tratamentos adequado, as chances de cura são aumentam consideravelmente!

câncer de mama

Câncer de mama na gestação: como descobrir? 

Quando o câncer de mama é diagnosticado em uma mulher grávida, ele é denominado câncer de mama gestacional ou câncer de mama associado à gravidez.

Apresentado como o tipo mais comum durante a gravidez, amamentação ou no primeiro ano após o parto, os cânceres de mama podem ser mais difíceis de serem diagnosticados quando a mulher está esperando um bebê.

As alterações hormonais durante a gravidez fazem com que as mamas se tornem maiores, granuladas e/ou sensíveis. Isso pode tornar mais difícil que a própria paciente ou seu médico percebam um nódulo causado pelo câncer.

Outra razão é o fato de que muitas mulheres deixam para fazer o rastreamento do câncer de mama, com mamografias, para depois do parto. 

Por conta disso os médicos destacam a importância da continuidade dos exames clínicos de palpação das mamas, e quando há fatores de risco, como histórico familiar, a realização da ultra som.

câncer de mama

Tratamentos e principais indicações 

Muitas mulheres grávidas que têm câncer de mama recebem tratamento, concebem bebês saudáveis e continuam vivendo a vida de forma saudável. Tudo depende da rapidez do diagnóstico e seu prognóstico.

Submeter-se ou não a um tratamento é uma decisão que deve ser tomada em conjunto pela paciente, pelo médico e pelos familiares. As pacientes têm a última palavra, mas devem ser aconselhadas por especialistas e apresentadas à todas as possibilidades.

Inicialmente, o câncer de mama por si só não causa nenhum mal ao bebê e não será “transmitido” para o feto. 

Mas alguns dos tratamentos podem afetar o bebê. Portanto, os especialistas dizem que é muito importante levar em conta o tempo de gestação, especialmente quando se está nas primeiras semanas de gravidez.

Na verdade, o primeiro trimestre é que apresenta um grande desafio para se estabelecer uma linha de tratamento. Por isso a importância de ter confiança na equipe médica é fundamental!

O desafio de ser mãe superando um câncer na gestação

Melhor do que ter o apoio dos médicos e de toda família é ouvir casos reais de quem conseguiu vencer essa luta, como é o caso de Lyana Cabral, de 30 anos.

A doença foi descoberta quase ao mesmo tempo em que a gestação, aos três meses, em abril de 2017. Para dividir experiências com outras mulheres, Lyana criou a página Câncer Gestacional tem cura.

O nome da página criada por Lyana nas redes sociais representa bem a boa notícia que os avanços da medicina trouxeram para aliviar as dificuldades nessa situação de emoções tão contrastantes.

O importante é sempre lembrar: você não está sozinha ❤️

câncer de mama

Não quer perder nenhuma de nossas dicas??

Siga todas as nossas redes sociais

Facebook, Instagram (@ficargravida) e Pinterest.

 

Leia mais:

5 produtos pra salvar os primeiros dias com o bebê

Perda de peso após a gravidez: como ocorre?

Gestação mais longa?! Confira 9 fatores que podem indicar essa característica

Compartilhe:
Classifique este artigo

O Ficar Grávida é um blog com conteúdo voltado para mulheres que estão grávidas, já são mamães e também para as que querem engravidar. Aqui, nós conversamos sobre gravidez, filhos, saúde, comportamento, decoração, histórias inspiradoras e muito mais! Entre em contato com a gente!

redacao@ficargravida.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário